DIRETOR DE ESCOLA PÚBLICA: DA TOTALIDADE A CENTRALIDADE?